Terça, 27 de fevereiro de 2018



Jamais troquei de lado.
Por quê? Eu não tenho lado.
Ou melhor, o meu lado sou eu





SITE/BLOG DO PRÉVIDI: HÁ 14 ANOS
INCOMODANDO CHATOS, 
INCOMPETENTES E BANDIDOS
(E CANALHAS)








HORÁRIO DE VERÃO:

Atualizado diariamente
pela manhã













RECEBO:

A demissão do Pleni colocou uma nuvem de fumaça na dispensa de mais 40 funcionários do Grupo em todo o Estado nesta segunda-feira. 
O enxugamento continua. 
Acho que não adianta o Duda desmentir  a negociação. 











A "CLASSE MÉDIA CONSCIENTE"
É FALCATRUA EM TODO O MUNDO






Para quem não sabe o que é "classe média consciente" dou um exemplo.
Uma universitária sofre tentativa de estupro em um parque da cidade.
Bah, a "classe média consciente" vira bicho, faz campanhas furibundas, passeatas, exige a renúncia do governador. Uma "grande mobilização".
Mas não dá a menor pelota quando toma conhecimento que uma mulher é estuprada por dia em Porto Alegre.
Entenderam, né?
...
Agora, vejam isso:

(clica em cima que amplia)



O próprio Rodrigo Lopes desenha:

Sem chamar atenção do mundo ou provocar qualquer mobilização internacional, uma tragédia silenciosa emerge na Nigéria mais uma vez. Cento e cinco meninas, estudantes de 12, 13 anos, estão desaparecidas desde a ação do grupo extremista Boko Haram, hoje mais mortífero do que o Estado Islâmico. 
Mas como o sequestro ocorre na África, não desperta interesse. 
Tudo começou em 22 de fevereiro, quando terroristas invadiram a escola em Dapchi. Estudantes e professores tentaram fugir. No desespero, ficaram ao chão chinelos e sandálias das vítimas, em um rastro de medo. 
Além da falta de indignação — ou mobilização — da comunidade internacional, os familiares enfrentam a descaso do governo local, que negou ao longo da semana o sequestro.
Uma associação de pais foi criada nos últimos dois dias. Só então foi feita uma lista com os nomes das meninas desaparecidas. Foi então que se chegou ao número de 105. Pode ser mais. 
A tragédia se repete porque o caso lembra muito o das alunas de Chibok, no estado vizinho Borno, há quatro anos. Na época, foram levadas 276 estudantes. 
Uma das meninas que conseguiu escapar dos extremistas, Aisha Yusuf Abdullahi, contou que várias de suas colegas escalaram o muro da escola, antes de entrarem em veículos estacionados no lado externo. Esses carros poderiam pertencer aos criminosos.
O grupo Boko Haram realiza desde 2009 tem espalhado o terror no nordeste da Nigéria, que deixou mais de 20 mil mortos e 2,6 milhões de deslocados.

-

Já imaginaram se um grupo de terroristas, como o estado islâmico, sequestrada 10 estudantes francesas? Ou cinco crianças alemãs?
Bah, é o início da Terceira Guerra Mundial!!


-


A PROPÓSITO DA "CLASSE MÉDIA CONSCIENTE"

Quem conta é o jornalista Ricardo Azeredo:

Pra pensar: lembram daquele caso, ano passado, do casal homoafetivo que numa festa de debutantes no Leopoldina Juvenil, armou um rolo porque disseram que foram agredidos pelo pai da debutante, que levaram rasteiras e socos no meio do salão, que foram expulsos da festa e depois fizeram um escândalo na imprensa e na polícia? Pois é, o processo agora foi arquivado. Por absoluta falta de provas de agressão e nem sequer testemunhas, num salão lotado. O exame de corpo de delito não deu nada. A família da menina foi exposta à inquisição feroz e pública das redes sociais e na própria imprensa. E agora?


-


INTERVENÇÃO NO RIO - Do jornalista Irineu Fernando Guarnier Filho, via Facebooki:

Má vontade da Folha de S.Paulo, Globo News e outros veículos em relação à intervenção militar na (in)segurança pública do Rio explica porque tantos jornais estão fechando e a audiência dos telejornais despenca. Vivem em um mundo completamente diferente do de seus leitores e telespectadores.
Fingem que o Rio não está em GUERRA e se mantêm de narizes empinados em seu enclavezinho ideológico, alheios ao sofrimento da população pobre submetida ao regime de terror da bandidagem. É interessante observar o que disse o músico Hamilton Ferreira, morador de uma favela, à própria Folha, numa reportagem em que o jornal criticava a ação dos militares .
“Eles (os militares) estão tratando todo mundo com o máximo de respeito. É louvável pela situação que passamos aqui. Estamos sofrendo com essa guerra entre traficantes e milicianos. A intervenção chega num momento bom”.

Quer dizer, o descolado jornal paulistano é que sabe o que é melhor para o pobre favelado carioca. Ai, que cansaço...



-



PARA REFLETIR

Um 2017 para lembrar, 2018 para renovar

Gelson Santana, presidente do Sticc
(texto publicado no Jornal do Comércio em 21 de fdevereiro de 2018)

Para muitos, o ano que passou tem que ser apagado da memória dos brasileiros. Desemprego na casa dos 14 milhões, a aprovação da reforma trabalhista, o aumento dos combustíveis, a violência, os salários atrasados nos estados do RS e Rio de Janeiro - além de Porto Alegre -, a confusão política instaurada pelos que estão em Brasília e outros espalhados pelas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais do País.
Essa é a questão, 2017 não pode ser esquecido, mas deve ser lembrado. Temos que refletir tudo o que passou. Para entendermos o que deve ser mudado.
E eis que em 2018 aparecerá uma grande oportunidade para os brasileiros: a eleição para deputado estadual, federal, senador, governador e presidente da República. Dos mais pobres até as classes mais abastadas, o direito é o mesmo: o direito de escolher o representante dos brasileiros nessas esferas. Há que se reconhecer que erramos.
Erramos na nossa apatia. Erramos ao não reivindicarmos nossos direitos. Direito à saúde, à educação, à segurança e a um trabalho digno, onde não seremos explorados. Algumas parcelas lutaram. Tomo a liberdade em citar o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de Porto Alegre (Sticc). Uma entidade que tem seu eixo focado no social, no trabalho, na ética e na transparência. Seja com ações sociais, com mais de 8 mil fiscalizações nos canteiros de obras em 12 meses.
Para ver o dia a dia do trabalhador da construção civil, sem receber o FGTS, sem receber salários e em locais insalubres. Também qualificando o profissional da categoria, além dos filhos e filhas na Escola de Beleza da entidade e no Jovem Aprendiz. Em 2017, o Sticc atendeu mais de 30 mil trabalhadores e familiares em saúde e serviços advocatícios, entre outros. Se cada administração pública fosse um pequeno Sticc, muita coisa se resolveria. Porém, por questões burocráticas, isso ainda não é possível.
Falta política inovadora. Faltam políticos que inovem e que queiram mudar o destino do País. 2017 deve ser lembrado, mas o ano de 2018 é de renovação.


-


AS SURPRESAS DOS MAIS PREMIADOS - A principal novidade dos levantamentos regionais do Ranking dos +Premiados Jornalistas da História ficou para a Região Sul, que tem um novo líder. Ao conquistar cinco prêmios em 2017, entre eles ARI, Setcergs e Ministério Público-RS, todos na categoria Rádio, Cid Martins, da Rádio Gaúcha, superou o paranaense Mauri König e terminou em primeiro lugar na Região e em terceiro no Nacional, com 965 pontos. Em números, nenhum jornalista brasileiro tem mais prêmios do que ele – dos analisados pelo Ranking, já são 57, mas segundo contas próprias, levando em consideração menções honrosas, segundos e terceiros lugares, tem mais de 100 conquistas.
Mauri, que deixou a Gazeta do Povo em 2015 e desde então se dedica a concluir um mestrado, dar aulas e escrever livros, viu por consequência diminuir seu ritmo de conquistas e encerrou o ano com os mesmos 887,5 pontos de 2016. O mesmo aconteceu com o jornal paranaense em que passou a maior parte da carreira, pois era um dos principais a contribuir com suas conquistas. Para se ter uma ideia, segundo o levantamento de 2016, Mauri teve participação em 20 dos 57 prêmios que a Gazeta conquistou em sua história.
Na terceira posição, com 710 pontos, aparece o repórter especial da RBS TV Giovani Grizotti. Um dos principais nomes do jornalismo investigativo do Grupo RBS, Giovani acumula mais de 30 prêmios de jornalismo em sua carreira, entre eles dois Esso, um Embratel, um Vladimir Herzog e sete troféus no ARI.
Completam os Top 10, pela ordem, Carlos Wagner (685), Humberto Trezzi (602,5), Nilson Cezar Mariano (492,5), Fabio Almeida (452,5), Letícia Duarte (407,5), Carlos Etchichury (377,5) e Mario Marcos de Souza (325).

...
Vai até  1270º. Milhares de jornalistas e radialistas.

...
TE METE!! OLHA A PARCERIA!!

92º - 100 pontos

BRENO CALDAS
CARLOS ALBERTO KOLECZA
DIEGO CASAGRANDE
FELIPE VIEIRA
JOSÉ LUIZ PREVIDI
MARCOS PORTO
ODILON LOPEZ
ORLANDO RIBEIRO DANTAS

...
Quer conferir?
https://www.portaldosjornalistas.com.br/ranking-premiados-cid-martins-assume-ponta-no-sul-do-brasil/


-


ELES SÃO CRIATIVOS!!


Mais de 36 mil veículos seguem pelo Litoral pela freeway nesta sexta



-



ELES NÃO TÊM O QUE FAZER! - A modinha na Assembleia Legislativa? Frente Parlamentar!

Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Cadeia Produtiva da Reciclagem, que será presidida pelo deputado estadual Sérgio Peres (PRB), às 9h30min, no Plenarinho, 3º andar.



-


HÁ CINCO ANOS - Fiz esse comentário no Facebook:

Gostaria de saber se vocês levam a sério uma pessoa que se refere ao mundo como "planeta".
Agora, pior do que "planeta", hoje, é o compartilhar. Tudo é compartilhar. Até a dona do Teatro São Pedro, numa propaganda, fala essa bobagem. Como foi em passado recente a "demanda", o "agregar valor". Ou começar uma frase com "então".

...
Algo mais atual?


-


E AÍ? - Essa é pra quem Jogou Atari.
Quem lembra o nome do jogo que está desenhado na camisa da menina?





-



PIADINHA





3 comentários:

  1. Sera que com a venda da Rbs alguns nomes fracos do jornalismo irao finalmente ser demitidos ? Ex: Luciano Perico o narrador inventado, Daniel Scola o pior apresentador, Cristina Ranzolin que e pessima e antipatica mas nao larga o osso.
    Sem falar dos locutores com voz infantil e cheio de girias.
    Mudara ou nao ??

    ResponderExcluir
  2. Sobre as mais de 100 meninas sequestradas na Nigéria, pelo Boko Haram, seria legal se o U2 fizesse uma musiquinha sobre o tema, não? Logo eles, que gostam tanto de militar por causas como a tolerância, pobreza na África, etc...

    ResponderExcluir
  3. O senhor Perico penso tenha apenas tamanho descomunal, mais de DOIS METROS, pois sua voz anasalada é insuportável. A senhora Ranzolin que já é escura por natureza por certo se faz ainda mais preta para desagradar aos que ligam a TV. Titia, vai ao INSS enquanto ainda é tempo. Ali há um balaio de chatos na verdade.

    ResponderExcluir