Terça, 26 de maio de 2020




Jamais troquei de lado.
Por quê? Eu não tenho lado.
Ou melhor, o meu lado sou eu
...

ANDO DEVAGAR
PORQUE JÁ TIVE PRESSA





Escreva apenas para






Pensando bem

Bosta é um negócio sério!
Se assim não fosse, os empreendedores da marijuana não misturariam o puro excremento animal no produto oferecido à população.
Como todos sabem, a bosta é um excelente e insubstituível adubo para as hortas.
Bosta é um bem insubstituível!
João Agripino da Costa Doria Junior não é um bosta. Ele apenas serve de inspiração para Tom Cavalcanti fazer as pessoas rirem.
Bosta é um negócio muito sério.













A ECONOMIA QUE O BICHO
CHINÊS ENSINOU PARA AS TVS





Quando comecei a trabalhar com jornalismo, na década de 70, não se aceitava fazer uma matéria por telefone. Na redação do Diário de Notícias, o Diarinho, tinha uma gurizada, mas também tinha repórteres com mais "experiência". Logo que o chefe de reportagem, o Renan Antunes de Oliveira, distribuía as pautas, uns iam pro telefone. Aí quando tudo se ajeitava para sairmos - todos iam numa Kombi - os repórteres "experientes", diziam: "Eu não vou, já fiz a entrevista". Todo dia era isso.
Teve uma época que atacávamos em grupo.
Três e as vezes quatro repórteres iam junto para uma entrevista. Um negócio assustador para os entrevistados. Algumas vezes até com dois fotógrafos. E tinha disputa até para quem fazia mais perguntas.
Nos proibiram de fazer estas "entrevistas coletivas", mas não se admitia fazer entrevista pelo telefone. Tinha que ser "olho no olho".
Mas ao mesmo tempo aprendemos a fazer cascatas. Por exemplo, inicio de verão e sempre tinha matérias sobre as "praias do Guaíba". Bah, sentávamos nos bares que existiam na beira da praia de Ipanema e enquanto sorvíamos cerveja, o Friolin, o Adãozinho ou o Luiz Armando fotografavam as gurias tomando sol, um que outro dentro do rio. Depois na redação se inventava os entrevistados e tudo resolvido.
Há uns anos, assisti num final de semana, na Band, uma matéria feita com celular. Achei aquilo um horror - até porque na época os celulares eram primários. Fiz um crítica e o diretor Leonardo Meneghetti levou numa boa, mas ficou indignado - afinal era uma experiência.
O tempo foi passando e hoje muitos repórteres "multimídia" fazem tudo sozinho. Já vi até uma "comentarista" de Brasília falando para uma solitária câmera de celular... Os repórteres de rádio também fazem as filmagens para os sites.
Agora, com o ataque do bicho chinês, TODAS as TVs estão fazendo entrevistas pelo celular ou semelhante. Normalmente a imagem não é boa, mas o que interessa é a entrevista. Não é isso?
Se podem fazer a maioria das entrevistas dessa forma, do prédio da TV, por que vão deslocar uma equipe, com três, quatro pessoas, de carro até a casa ou o escritório de um entrevistado?
Aposto um cafezinho:
A partir de agora, 90 por cento das entrevistas serão feitas assim, com o uso da internet. Coletivas e pronunciamentos? Ah, as entidades ou os governos irão mandar as gravações, como já acontece.
Outra: notara, como os diários estão dispensando repórteres fotográficos? Por que mantê-los com contratos? Simples, contratam frees, quando necessário,mas contam com a "colaboração voluntária" dos leitores, que adoram ver seu nome ao lado da foto.



-


QUE FOTO!! - Alceu Collares Nelson Mandela num evento no Rio de janeiro, durante o Governo Leonel Brizola. Ao lado, o deputado federal CAO, que foi presidente do Sindicato dos Jornalistas do RJ.



-


REFLEXÃO

Semana passada Lula agradece o surgimento do coronavírus, enquanto Bolsonaro disse que a direita toma cloroquina e a esquerda tubaina. Para sorte nossa, Dilma não disse nada.

Anton Karl Biedermann (extraído de um texto publicado no Facebook)


-


FALTA AUTOCRÍTICA - Escreve o jornalista Cleber Benvegnú:



Muitos reproduziram a versão de que o tal vídeo seria devastador para Bolsonaro. Mas o que vimos, além de um linguajar baixo (nenhuma novidade), foi coerência política - e nenhum crime.
As fake news, desta vez, então, não vieram das redes sociais, mas de analistas com lugar constituído na opinião pública. Está faltando autocrítica.


-


"ACORDANDO GIGANTES" - Por gentileza de um amigo, li o artigo da sra. Cláudia Laitano, no ZH de ontem, que trata de um movimento, nascido nos Estados Unidos, chamado "Sleeping Giants". Segundo ela, o tal movimento visa tornar o fanatismo e o sexismo menos lucrativos.
Escreveu a moça:
"O objetivo é alertar grandes marcas quando seus anúncios, randomicamente, forem parar em sites que apoiam políticos de extrema direita ou divulgam fake news e informações que contrariam a ciência".
Nos contou que no Brasil o efeito foi imediato. Em poucos dias, o perfil do movimento no Twitter alcançou 100 mil seguidores, com o "apoio de celebridades como Felipe Neto e Luciano Huck".
Aí parei de ler.
Tá certo, são dois candidatos a presidente do Brasil, mas a dona Claudia tava de sacanagem!!
...
Na Folha de S.Paulo de ontem, por incrível que possa parecer, tem uma matéria muito mais completa do que a da senhora do ZH. Confira: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/05/grupo-conservador-lanca-movimento-contra-avanco-do-sleeping-giants-no-brasil.shtml
...
Considero notícias falsas um horror. Infelizmente todo mundo cai, inclusive os grandes conglomerados de comunicação. Eu, ontem mesmo, caí numa e me desculpei.
Agora, sabe o que acha infinitamente pior?
O que faz a Folha de S.Paulo faz, diariamente, com o apoio de publicações-satélites, como o ZH; o que faz o jornal nacional diariamente; o que faz há décadas o Estado de S.Paulo; e o Globo, claro.
Manipular uma informação verdadeira é tão criminoso como uma informação falsa.
Só que o efeito de uma notícia mentirosa em grupos de WhatsApp ou num site é infinitamente menor do que nesses veículos tradicionais.
E não adianta comprovar que estão mentindo, porque esses "grandes" não desmentem.
...
Ainda bem que esses grandes conglomerados estão em situação pré-falimentar e a população, de um modo geral, não levam mais a sério.
...

Dona Claudia Laitano, isenta e imparcial, "esqueceu" de colocar em seu texto que os responsáveis pelo Sleeping Giantes Brasil já informaram que podem denunciar sites de esquerda.
"Mas não necessariamente vai denunciá-los. Só o fará se identificar que uma dessas páginas lidera a distribuição de informação falsa ou conteúdo com discursos de ódio — como faz agora com o Jornal da Cidade Online, que, segundo o Sleeping Giants, é um dos cabeças da lista", registrou a revista Época, da globo, na coluna de ontem de Guilherme Amado.
...
Trecho da entrevista que o jornalista da Época fez com o responsável pelo movimento:

Há sites da esquerda com fake news. Não seria o caso de também denunciar o anúncio de empresas neles?

Devemos deixar claro que, até o momento, o nosso único alvo é o Jornal da Cidade Online e provavelmente levaremos meses para alcançarmos os resultados pretendidos. Portanto, não discutimos nesse momento a ampliação de nossa atuação para outros veículos. Mas é importante ressaltar que é um movimento que objetiva suprimir o financiamento da desinformação e do discurso de ódio. Eventuais próximos alvos serão definidos a partir de uma análise que observe esses dois critérios.

Portanto vocês denunciariam no futuro sites de esquerda?

Sim podemos, se consideramos que os sites da esquerda são os que mais propagam fake news e discurso de ódio. Também os mais prejudiciais a democracia.

-


GOSTARIA DE SABER COMO A SRA. LAITANO CLASSIFICARIA ESTA MANCHETE DO JORNAL EM QUE TRABALHA: 



PERGUNTO, DONA LAITANO: BOLSONARO FOI AO ATO COM FAIXAS CONTRA O STF? É ISSO?


-


ESSA É BOA!

BNDES ANUNCIA EM SITES TRI-DE-IXQUERDA!!


-


BURRICES - Recebo:
 Leio uma chamada do “Estadão”: Zambelli (Deputada Carla Zambelli) antecipou operação da PF contra Governadores – leio a matéria, e vejo que a “anta” da deputada deu entrevista na Radio Gaúcha – NA GAUCHA!!!!!, falando isto.
Ou esta criatura é muito jumento, ou acha que não seria munição para quem está atirando no presidente que ela apoia. Será que esta retardada não sabe que a Gaúcha está dando-lhe “´pal” – nem é pau, no Presidente que ela apoia? Será que ela imagina que este tipo de informação vai “ajudar” o presidente, a ter mais apoio do povo – já que é o exemplo da mudança da Polícia Federal que está dando efeito.
...
VAI PRO INFERNO! COMO TEM NEGO BURRO DEMAAAAAAAAIS! Assisti ontem uma entrevista do Paulo Francis de 1994 no Roda Viva. Por mais que o bicho fosse antipático, prepotente/arrogante, metido, viado (sei lá se era, jeitão tinha), o cara era inteligente – ou fingia muito bem. Outro tempo atrás, li a biografia do Saraiva Guerreiro – que foi Embaixador do Brasil nos EUA, e Chanceler, além de todo o livro do Roberto Campos (um tarugo de 1.450 páginas), a biografia do “Chatobriã” – não tô com saco de escrever “certo”, e chego a conclusão que “emburrecemo mesmo”.


-



PROIBIDO O BUSER - Em decisão liminar proferida no sábado (23/5), o desembargador federal Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), suspendeu o funcionamento do aplicativo Buser no estado do Rio Grande do Sul. A determinação atende a um pedido da Federação das Empresas de Transportes Rodoviários do RS (FETERGS), que questiona judicialmente a legalidade do serviço de fretamento oferecido pela empresa. Segundo Favreto, o transporte coletivo de passageiros realizado pela Buser é irregular, uma vez que se enquadra como serviço público e necessita de outorga estatal para funcionar.
A ação questionando o aplicativo foi ajuizada pela FETERGS no fim de janeiro. Segundo a federação, a Buser estaria realizando o transporte interestadual de passageiros sem autorização estatal. A autora do processo ainda mencionou a falta de providências da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) quanto ao suposto serviço irregular da empresa
Em análise liminar ocorrida no início de março, a 2ª Vara Federal de Porto Alegre negou a tutela de urgência por entender que não haveria proibição clara quanto ao regime de funcionamento da Buser.
...
A FETERGS recorreu ao tribunal com um agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo. No recurso, reforçou os argumentos de que o serviço oferecido pela Buser seria clandestino e configuraria concorrência desleal e irregular.
O relator do caso na corte, desembargador Favreto, deu provimento ao recurso e determinou que a Buser não comercialize viagens de transporte interestadual de passageiros no RS, sob pena de multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento. A determinação também prevê que a ANTT, dentro de seu poder de regulamentação e fiscalização, adote medidas para coibir serviços da Buser que estejam em descompasso com as normas aplicáveis.


-


QUARENTENA DO JULIO RIBEIRO

(clica em cima que amplia)



-


QUARENTENA DO NELSON DUTRA FILHO!

(clica em cima que amplia)




NESTA QUINTA 28/05/2020   20 HORAS

Pra quem não aguenta mais notícias de vírus, palavrões do Bolsonaro e reprises de novela...

Tudo visto no charme do mediador NELSON DUTRA, as fofocas e bundas do Vô PREVIDI com o humor ácido e imperdoável do SACOMORY, tudo em 59 minutos e 59 segundos.

Quer relembrar como foi a primeira? Clica aqui: https://bit.ly/2LVpwEZ


-


RBS TV TÁ DE SACANAGEM

No próximo domingo
vai reprisar um jogo
que não valeu nada:
Grêmio e Hamburgo.


-


CHOMSKY NA SUCURSAL DA FOLHA? - Recebo:
"O jornal do Nélson dando voz para o Noam Chomsky? Tem algo de errado...
Será que eles acharam uma maquineta de imprimir pila?"




-


GAÚCHOS CRIAM TESTE PARA O BICHO CHINÊS - Um grupo de cientistas gaúchos, coordenados pelo médico e doutor em Biotecnologia Fernando Kreutz, desenvolveu um teste laboratorial inovador capaz identificar e quantificar a presença de anticorpos tipo IgG, contra a proteína S, que é responsável pela entrada do Coronavírus nas células. Este teste permite saber quem já esteve em contato com o vírus, e se desenvolveu imunidade ao mesmo. Estudos vêm apontando que pacientes que apresentam estes anticorpos, podem apresentar imunidade contra a doença, e desta forma os pacientes não desenvolveriam ou transmitiriam a mesma. A inovação pode mudar o paradigma de enfrentamento à pandemia e dar esperança à população, criando uma nova perspectiva para lidar com a crise, uma vez que identificaria quem poderia retomar suas atividades.
Inicialmente, o teste utilizou a proteína S viral importada, porém, devido à importância estratégica desta inovação e graças à parceria com o Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares da COPPE/UFRJ, coordenado pela Professora Leda R. Castilho, foi possível substituir o material importado pela proteína S produzida no Brasil, mantendo-se a mesma qualidade e performance. Desta forma, está sendo possível a produção nacional de todos os insumos necessários para a produção dos testes em grande escala, gerando independência tecnológica e disponibilidade de exames. O teste já foi validado e estará disponível a partir desta semana em laboratórios da Região Sul do Brasil, podendo muito em breve ser ampliado para as demais regiões do Brasil.
...
"Sabe-se que de 80 a 85% das pessoas infectadas com a COVID-19 são assintomáticas ou manifestam apenas sintomas leves da doença. A resposta imunológica é bastante variável e complexa, podendo levar mais de quatro semanas para ocorrer. Para garantir imunidade àCOVID-19, é preciso que as pessoas tenham contato com o vírus, desencadeando esta resposta, e desta forma o paciente produziria anticorpos que poderiam bloquear a infecção viral. Uma das formas de caracterizar esta resposta seria identificar estes anticorpos contra a proteína Spike (S)", explica doutor Kreutz. A proteína S da Covid-19 é responsável pela ligação do vírus às células humanas, através da enzima ACE2, presente na superfície das células pulmonares, permitindo que o vírus entre nas células e se multiplique, causando adoença.
Vem sendo amplamente estudado que parte dos anticorposproduzidos contra a proteína S, seriam anticorpos neutralizantes, ou seja, anticorpos que inibem a ligação da proteína S do vírus à enzima ACE2. Portanto o teste pode ser uma ferramenta importante para auxiliar a criar o famoso "passaporte imunológico" e, em conjunto com  informações clínicas, permitir que estas pessoas retornem às suas atividades com maior segurança, salienta Alberto Stein, médico que colaborou no desenvolvimento do teste.
A maioria dos testes imunológicos disponíveis atualmente no mercado produzem resultado a partir da identificação de anticorpos contra a proteína N, da COVID-19. Essa proteína encontra-se no interior do Coronavírus e sinaliza que a pessoa teve contato com o vírus, mas não dáinformação sobre a imunidade contra ele, porque estes anticorpos contra a proteína N não são neutralizantes.
...
O teste é realizado a partir de uma amostra de sangue, analisada em laboratório, determinando e quantificando a presença destes anticorpos que reagem contra a proteína S. "Este fator é extremamente importante, visto que a maioria dos testes imunológicos disponíveis hoje no mercado não quantificam o nível de anticorpos contra a proteína S, e nem avaliam a possibilidade de imunidade contra o vírus”, destaca Kreutz.
Stein explica que o teste quando foi realizado em familiares de pacientes que foram acometidos pela doença, evidenciou em alguns destes familiares níveis elevados de anticorpos contra a proteína S, muito parecidos aos níveis daqueles que tiveram a doença. O que indicaria que estes familiares desenvolveram imunidade contra o vírus.
O teste leva cerca de duas horas para ser realizado e o resultado fica pronto em até seis horas. Esta inovação é fruto de uma iniciativa de cientistas que atuam no setor privado da indústria nacional de biotecnologia, demonstrando que parcerias público-privadas em áreas estratégicas podem trazer resultados concretos no combate à COVID-19.


-


RODÍZIO DE PEDESTRES? - O que trem de gente na quarentena pensando em sacanagem não é mole.
Olha essa: Em Tramandaí começou a circular um email com um decreto do prefeito. OK decreto determina o rodízio de pedestres por meio da numeração do calçado. É sério!! Tiveram coragem de mandar isso. E teve gente que acreditou!!
A norma falsa estipula que pessoas que calçam números pares só poderiam circular em dias pares e os demais, poderiam andar pela cidade em dias ímpares.
Isso gerou uma série de perguntas na página oficial da Prefeitura.
...
O sacana estava inspirado:
No art. 3º AQUELES QUE FOREM PEGOS DESCALÇOS, NA TENTATIVA DE BURLAR A FISCALIZAÇÃO, SERÃO MULTADOS EM R$ 200,00 (DUZENTOS REAIS)


-


POR FALAR EM TRAMANDAÍ - Agora, é completamente proibido dar uma banda de carro na praia. A Prefeitura de Tramandaí instalou placas que indicam a proibição de acesso de veículos na orla marítima. As novas placas indicativas, foram instaladas em acessos regulados e indicados  pela FEPAM (Monumento de Iemanjá, avenidas Ivo Schneider e Beira Rio) e visam a conscientização ambiental.
Após a instalação das placas, os  automóveis que forem flagrados circulando nos locais  sinalizados, estarão sujeitos as penalidades previstas em Lei.
...
Quero ver o que vão fazer no Cassino, em Rio Grande.


-


ENCONTRO VIRTUAL - O Conselho Deliberativo e a Diretoria Executiva da ARI convidam conselheiros, diretores e associados para participar do Encontro Virtual Semana Hipólito da Costa, no dia 28 de maio, às 14h30min, pela plataforma Zoom (link abaixo). Para acessar, basta baixar o aplicativo Zoom no celular ou no computador.  
...
Entrar na reunião Zoom
https://pucrs.zoom.us/j/91508200246?pwd=RU5ObmVZM0N4TTBOYzNWRGVKZ0VkUT09

ID da reunião: 915 0820 0246
Senha: 693150 


-


LI NO FACEBOOK

colegionarios

Traduzo: Correligionários


-



DONA ROBERTA COLTRO VIAJA PELA PAMPA! - 2




-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-XX-X-X-X-X-X-X-X-X

APROVEITEM!!!
É MUITA GENTE COMPRANDO!!!



ALFAJORES COMBINAM
COM TRANSPLANTE?


Me chamo Rochelle Benites (foto), moro em Porto Alegre e estou na espera para transplante pulmonar, na Santa Casa. Aguardo dois pulmões. 

Não tenho condições físicas para trabalhar e encontrei nos deliciosos Alfajores de Gramado uma maneira de ajudar no sustento de minha família - sou a chefe do lar.

A caixa com 6 unidades (2 chocolate branco e 4 chocolate preto) custa R$ 20,00.
Tenho Tele Entrega e máquina.

Os Alfajores são uma ótima maneira de presentear quem você ama e para chocólatras!
  
      Chama  no Watts e faz teu pedido
Combinamos entrega ❤️ 51 9996-3361 ❤




-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-XX-X-X-X-X-X-X-X-X




PIADINHA OU NÃO É PIADINHA?





-


NÃO É PIADINHA




-


PIADINHA




-


BRINCADEIRINHA DA QUARENTENA

Use a sua expertice e adivinhe quem é a da direita.
Claro, a da esquerda é a Paolla Oliveira!!
Dica: fez plástica até no cotovelo e calcanhar.





Segunda, 25 de maio de 2020




Jamais troquei de lado.
Por quê? Eu não tenho lado.
Ou melhor, o meu lado sou eu
...
ANDO DEVAGAR
PORQUE JÁ TIVE PRESSA





Escreva apenas para







Genial

26 de maio de 2020
Tony Tornado (Antônio Viana Gomes) completa amanhã 90 anos.
Seu pai (Ray Antenon, nascido na Guiana) está com 108 anos.
Tornado está prestes a conseguir comprar fiado
em todos os bares do Brasil que tem aquele placa:

"SÓ PARA MAIORES DE 90 ANOS
ACOMPANHADO DO PAI"






Quando vão informar aos "colunistas" do Zero Hora?


Imbecis ou mal intencionados, alguns dos "famosos colunistas" da RBS insistem em criticar o uso da hidroxicloroquina. Este foi um dos medicamentos que salvou a vida de Nelson Sirotsky, um dos donos da RBS.
Tenho impressão de que essa gente é canalha, mesmo.
(O que os dirigentes do jornal dizem é que os "colunistas" têm liberdade para escrever o que quiserem. Certo, mas isso vale para insanidades?)









PARA COMEÇAR BEM A SEMANA




Por favor, eu não suporto mais conversa séria! Tudo bem, é necessário, mas tem que ser rapidinho quando se começa a falar de doença.
Mas só querem tratar de assuntos "relevantes" para o país. Cada vez que entro no Facebook levo até um choque - muita bobagem levada a sério e quando eu quero brincar algumas pessoas carrancudas se irritam e mandam xingamento.
Bem como aquela piadinha que publiquei na semana passada: dois caras saltam de um avião. Um deles, com paraquedas, constata: "Você está sem paraquedas". E o outro: "Essa é a tua opinião". Um negócio sacal!!
Olha, sério, estou até com saudade daquele tempo em que nas chamadas "redes sociais" as pessoas colocavam fotos de cachorrinhos, gatinhos, bobagens... mocinhas bonitinhas...
Neste final de semana, então, os "comentaristas de redes sociais" estavam impossíveis, com a tal reunião do presidente com o Ministério, os 600 pilas do filho do Bonner, o moralismo dos que ainda são petistas, bah!!, um horror!!
...
Aí estou conferindo os meus emails e tem uma mensagem do Alfonso Abraham, o Espanhol:
"Não me segurei, depois de dois meses em casa: passei um pincel, limpei as lentes da Nikon,  fui  na beira do Guaíba ver de perto o nosso tão famoso pôr do sol, que apenas olhava da janela.
Nosso poente no Guaíba continua lindo. "

Saboreiem!

(clica em coma que amplia)







-



Gil Marques
Gil Marques

GIL MARQUES E A SACANAGEM DE BRIZOLA - Por uma falha imperdoável, fiquei sabendo somente no sábado do falecimento do ex-deputado Gil Cunegatto Marques, do PDT, na última segunda, dia 18. Uma figura extraordinária, que estava com 91 anos.
Nascido em Santa Rosa, onde foi vereador nos anos 1950, ele viveu em Itaqui, onde tinha terras e foi também prefeito.
Sempre foi brizolista. Mas o ex-governador protagonizou um episódio lamentável com ele.
Acompanhe:
A eleição de 1982 foi histórica. 
Há quase 20 anos os brasileiros não votavam para governador. Muito antes de novembro daquele ano, todos os partidos, que há pouco tinham sido formados, estavam a mil. O PDT, que havia sido formado a partir do MDB, apostava todas as fichas em Alceu Collares. Tudo se encaminhava para que Gil Marques, então deputado estadual fosse o candidato a vice. O partido, sem dinheiro para encarar uma eleição majoritária, poderia contar com os recursos que Gil colocaria para bancar a campanha.
Não havia voz discordante - a chapa Collares/Gil Marques era uma unanimidade.
No dia da convenção estadual, no plenário da Assembleia Legislativa, Brizola veio do Rio.
Aberto os trabalhos, Gil fez um belíssimo discurso, ressaltando a vida dos trabalhistas históricos e dos dois líderes presentes, Brizola e Collares.
Gil foi aplaudido euforicamente por minutos.
Aí o Brizola começou mais um de seus longos discursos.
Para resumir, ele deixou bem claro que queria como candidato a vice-governador o advogado Octávio Caruso Brochado da Rocha. Ninguém aplaudiu, a não ser alguns que diziam amém em tudo que LB falava.
Gil foi a tribuna ovacionado, dizendo que gostaria de disputar no voto dos convencionais a indicação.
Brizola aumentou o tom da voz:
- Então, está bem, deputado Gil. Vamos bater chapa!! Vamos bater chapa!! Eu e o senhor!!
(PARA QUEM NÃO ENTENDEU: Gil não iria disputar só com o Brochado. Brizola seria o seu "cabo eleitoral", certo? Claro que ele jamais deixaria de ser candidato no Rio para ser vice no RS...)
Os pedetistas gritavam o nome de Gil.
O deputado voltou a tribuna.
- Governador, eu quero bater chapa com o advogado Octávio Caruso e não com o senhor. Assim, eu abro mão da disputa.
Gil, emocionado, foi em direção ao plenário, onde foi muito cumprimentado.
...
Acompanhei a campanha de Collares. Uma penúria de dar dó. A pequena comitiva parava até em pensões, aquelas bem fuleiras. O pessoal do interior ajudava.
Apesar disso, Collares - o vice nem participou da campanha - chegou em terceiro lugar e venceu dos demais em Porto Alegre e em várias cidades da Grande Porto Alegre.


-

   
LIMINAR FANTÁSTICA -  Na sexta, a 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Porto Alegre, atendendo a pedido formulado pelo Ministério Público do Estado em Ação Civil Pública movida com subsídios fornecidos pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), deferiu medida liminar que suspende a execução do contrato que prevê a transferência do setor Materno-Infantil da PUCRS para o Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas até que haja uma manifestação do Conselho Municipal de Saúde sobre o tema.
A decisão foi tomada pela juíza Andreia Terre do Amaral, com base na ação de autoria do MPE contra o Município de Porto Alegre, o HSL e a União Brasileira de Educação e Assistência – mantenedora da PUCRS. A transferência, acordada pela Prefeitura – gestora do HMIPV – e pela direção da universidade, foi anunciada em abril passado.
A juíza considerou, em sua decisão, que não foram observadas formalidades legais na assinatura do convênio da Prefeitura com a PUCRS. A ação do Ministério Público se baseou em apontamentos do Simers sobre os prejuízos aos usuários do atendimento de saúde decorrentes da transferência.
Para o presidente do Simers, Marcelo Matias, a decisão do Tribunal de Justiça comprova toda a ação da entidade médica desde o anúncio da intenção de transferência do Setor Materno-Infantil da PUCRS para o HMIPV. “O Simers comemora a decisão da Justiça porque ela possibilita a participação da população, que será diretamente atingida pela decisão e traz transparência ao processo, algo que faltou até agora", afirmou.


-


PERGUNTINHA

Esse "ministro" Celso de Mello está gagá?
Ou o "editor" do site do zh é torcedor?




-




POSTE NA TV - Fiquei impressionado com o papel de parede do Poste. Deu "entrevista" ontem no SBT. Pelo que vi, ele ainda está vivendo a campanha de 2018.
Pobre Poste.
Tive que tirar duas vezes a Gabriela, minha cadela, da frente da TV - ela insistia em fazer xixi.


-


ATÉ A PM É CONTRA O DÓRIA - Esse vídeo mostra, claramente, como está a popularidade do governador de São Paulo, João Agripino Dória. A PM incorporaq-se aos manifestantes!!
Assistam:



O DUDA TAJES ESCREVEU:

Chefe, a manifestação da PM era por um companheiro morto em serviço no dia anterior. A PM de São Paulo faz um minuto de sirenes e continência na hora do enterro do colega morto faz um tempo - um comandante da instituição escreveu sobre isso ontem mesmo. Mas já que a gente vive na era da pós-verdade, deixa a notinha assim mesmo. Daí o Políbio, o Roberto Jéferson, o Dudu Bananinha e vc contam a mesma mentira juntos. ;)
...
Publiquei porque veio de uma fonte confiável. Ele também deve ter confiado em alguém.
Não publico quando duvido.
Mas as vezes eu entro pelo cano.
E mereci o xixi do Duda (aliás, recebi outras ontem, por explicar mal outra nota)
Duda, até que seria bem legal até a PM ser contra o Agripino, não?


-



SERÁ QUE AS PREFEITURAS DE URUGUAIANA E ALEGRETE PAGAM POR ISSO? - É impressionante!! Todos os dias a RBS TV "informa" o tempo em Uruguaiana e Alegrete. TODOS OS DIAS. No sábado, no Jornal do Almoço, chegaram ao cúmulo de apresentar o gráfico abaixo:

(clica em cima que amplia)


...
À noite, no RBS Notícias, voltaram a falar no tempo bom em...
Alegrete e Uruguaiana!!
...
TÁ CADA VEZ MAIS ME CHEIRANDO A... DEIXA PRA LÁ.


-


ATÉ AGORA, A MELHOR DO ANO É DO ZERO HORA!!
Imagino a cara de pau de quem bateu este título...


-


QUARENTENA NA ÁREA - Já está circulando a 2ª edição da revista QUARENTENA, feita em meio à pandemia do vírus chinês, para ajudar as pessoas em isolamento social a passarem melhor por este período, buscando diminuir a pressão psicologia, especialmente sobre os idosos.
A publicação da Athos Editora tem 10.000 exemplares, com distribuição gratuita porta a porta em seis dos bairros com maior concentração de idosos de Porto Alegre: Moinhos de Vento, Independência, Bom Fim, Centro Histórico, Cidade Baixa e Menino Deus.
Nesta 2ª edição, a retomada do comércio e da vida na capital gaúcha, que aos poucos vai voltando à normalidade, pelo menos à normalidade possível neste momento. Em entrevista exclusiva, o psiquiatra Ricardo Nogueira fala de como vencer a ansiedade e o medo provocados pelo vírus. O jornalista Gustavo Victorino dá dicas de livros para aproveitar os momentos em casa e  Rogério Mendelski e Felipe Vieira discorrem sobre os seus filmes e séries prediletas no Netflix.
A edição traz, ainda, crônicas dos jornalistas Márcio Pinheiro, João Carlos Machado Filho e Fernando di Primio; receitas da jornalista e chef Clarice Ledur;  quiz sobre o RS e sua capital; humor, curiosidades e, claro, noticias sobre o coronavírus, mas só noticia boa!
A nova Quarentena tem a participação publicitária de Banrisul, Secretaria Estadual da Saúde, Assembleia Legislativa, Unimed, Sindilojas Poa e Simers - Sindicato Médico do RS.


-


QUARENTENA DO JULIO RIBEIRO

(clica em cima que amplia)




-


QUARENTENA DO NELSON DUTRA FILHO!

(clica em cima que amplia)




NESTA QUINTA 28/05/2020   20 HORAS

Pra quem não aguenta mais notícias de vírus, palavrões do Bolsonaro e reprises de novela...

Tudo visto no charme do mediador NELSON DUTRA, as fofocas e bundas do Vô PREVIDI com o humor ácido e imperdoável do SACOMORY, tudo em 59 minutos e 59 segundos.

Quer relembrar como foi a primeira? Clica aqui: https://bit.ly/2LVpwEZ


-


ESTÃO FUMANDO MUITO BOA NOITE - Escreve o Sandro Kluge:

“A democracia brasileira funcionou bem nos últimos 30 anos. Houve alternância no poder, eleições honestas, liberdade de expressão e de organização. Então acho que o desejo, a convicção de que isso merece ser preservado, é capaz de superar estas barreiras”.
Do tal André Singer – Valor Econômico.
...
Funcionou muito bem a democracia nos últimos 30 anos – R$ 400 mil para membros do TCE/RS, 28 mil funcionários na Câmara de Deputados, 2 mil funcionários no STF...
Que tal jogar um cara destes dentro de um chiqueiro de porco (que é de onde vem o bacon que ele come), ou dentro de um ônibus lotado – sem licença poética, que é o que leva o operário para construir o edifício aonde ele mora. Todos eles falam em democracia, de forma tão bonita, mas sempre preferem ficar no ar condicionado, dos prédios acadêmicos, desenvolvendo suas teorias sociais para o bem estar do povo – mas agir que é bom, nada.


-


SERÁ QUE A GLOBO PREVIU ISSO? - Tenho certeza que eles imaginaram que iria acontecer essa queda. O pay-per-view da Globo, Premiere, que é maia de futebol, perdeu mais de 350 mil assinantes após a suspensão dos joggos.
No total tinham 1,8 milhão de assinantes antes da pandemia. O cancelamento das assinaturas representa uma perda que pode variar entre R$ 28 milhões a R$ 41 milhões.


-


SBT QUER O FIM DA QUARENTENA - Pelo menos o pessoal do Jornalismo. Na semana passada, uma edição do SBT Brasil não foi ao ar, porque disseram ao Silvio Santos que a tchurma do presidente Bolsonaro não gostou da cobertura da famosa reunião ministerial.
Simples, ele pegou o telefone e mandou suspender a edição, que já estava pronta.
Com o fim da quarentena, SS vai para os Estados Unidos e para de se meter em tudo. 
Tóinggg!!


-


É BOM DE QUIZ? - Então entre lá:

https://www.fgf.com.br/noticia/fgf-vai-premiar-vencedor-de-quiz-com-bola-oficial-do-gauchao--saiba-como-participar


-


VOCÊ SABIA? - Tony Tornado serviu na Escola de Paraquedismo de Deodoro, no Rio de Janeiro, em 1948.
Silvio Santos foi seu colega de turma.
Os dois são de 1930.


-


"NÃO PODE CONTINUAR ASSIM" - Está mais do que confirmado, afirma o deputado federal Bibo Nunes, que as decisões na Justiça, como do STF, não podem ser monocráticas. "Como podemos aceitar que apenas uma pessoa decida, por exemplo, se deve ser divulgada uma reunião do presidente da República com seus ministros. Isso não pode continuar assim".
- Um ÚNICO ministro do STF decide e pronto? E a privacidade do presidente da República?
Bino Nunes finaliza: Estamos mobilizados para terminar com as decisões proferidas por um único magistrado, de qualquer instância ou tribunal. Defendemos decisões colegiadas!".


-



RECORDAR É VIVER 1




RECORDAR É VIVER 2



Vocês lembram o fim desse Heráclito Fortes, né?


-


DONA ROBERTA COLTRO VIAJA PELA PAMPA! - 1



-


SÓ LI ISSO E ME BASTOU!

Um dos expoentes mais prolíficos da música instrumental no mundo, acostumado a perambular entre continentes para tocar e documentar histórias ao violãoYamandu Costa está isolado atualmente em Lisboa. 

PROLÍFICOS DA MÚSICA INSTRUMENTAL NO MUNDO!
AÍ NÃO DEU PARA SEGURAR. 
GASTÃO, O VOMITADOR SURGIU!!


 





-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-XX-X-X-X-X-X-X-X-X

APROVEITEM!!!
É MUITA GENTE COMPRANDO!!!



ALFAJORES COMBINAM
COM TRANSPLANTE?


Me chamo Rochelle Benites (foto), moro em Porto Alegre e estou na espera para transplante pulmonar, na Santa Casa. Aguardo dois pulmões. 

Não tenho condições físicas para trabalhar e encontrei nos deliciosos Alfajores de Gramado uma maneira de ajudar no sustento de minha família - sou a chefe do lar.

A caixa com 6 unidades (2 chocolate branco e 4 chocolate preto) custa R$ 20,00.
Tenho Tele Entrega e máquina.

Os Alfajores são uma ótima maneira de presentear quem você ama e para chocólatras!
  
      Chama  no Watts e faz teu pedido
Combinamos entrega ❤️ 51 9996-3361 ❤




-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-XX-X-X-X-X-X-X-X-X




PIADINHA OU NÃO É PIADINHA?





-


NÃO É PIADINHA


Bosta e Estrume



-


PIADINHA


Sexta, 22 de maio de 2020




Jamais troquei de lado.
Por quê? Eu não tenho lado.
Ou melhor, o meu lado sou eu
...
ANDO DEVAGAR
PORQUE JÁ TIVE PRESSA 


Escreva apenas para







especial

Nesta sexta, uma cesta
de George Orwell!






Orwell afirmava que o nazismo era uma forma de capitalismo que utilizava o modelo econômico socialista.




Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário.




Ver aquilo que temos diante do nariz requer uma luta constante.




George Orwell  era o pseudônimo de Eric Arthur Blair, que nasceu em Motihari, Índia Britânica, 25 de junho de 1903 e faleceu de tuberculose aos 46 anos em Camden, Londres, Reino Unido, em 21 de janeiro de 1950. Foi escritor, jornalista e ensaísta político. Sua obra é marcada por uma consciência profunda das injustiças sociais, uma intensa oposição ao totalitarismo e paixão pela clareza da escrita. Simpatizante do anarquismo, o escritor faz a defesa da auto-gestão ou autonomismo. Tinha discurso contra o stalinismo e pela experiência do socialismo soviético, um regime que Orwell denunciou em A Revolução dos Bichos (1945). A sua principal obra foi 1984, escrita em 1949. A história se passa num país fictício onde o regime político é totalitário. O personagem protagonista do livro é um funcionário público que relata sua opressão. O obra foi traduzido para mais de 65 países e considerado um dos seus maiores sucessos sendo adaptado para o cinema, televisão, quadrinhos e até a música.
Em 2008, o The Times classificou-o em segundo lugar em uma lista de "Os 50 maiores escritores britânicos desde 1945".
...
George teve uma experiência como mendigo em Londres, fazendo o mesmo em Paris. Desta época surgiu mais uma obra, “Na Pior em Paris e Londres”.
...
Juntou-se à luta no Partido Operário de Unificação Marxista, uma milícia de marxistas revolucionários não-estalinistas contra Francisco Franco e seus aliados Mussolini e Hitler, na Guerra Civil Espanhola. Foi ferido no pescoço. Uma bala danificou-lhe as cordas vocais, saindo pelas costas, e desde então sua voz ficou ligeiramente inaudível. Mais tarde escreveria o livro Homage to Catalonia, em que relata sua experiência no conflito.
...
Orwell reconheceu que o nazismo era uma forma de capitalismo que utilizava o modelo econômico socialista. Em 1944, escreveu que "a palavra 'fascismo' é quase inteiramente sem sentido... quase qualquer inglês aceitaria 'valentão' como sinônimo de 'fascista'", nesse sentido, também descreveu a palavra como algo que já não tem qualquer significado, exceto para significar algo não desejável.
Em 1946, o autor previu o colapso da União Soviética que "o regime russo ou se democratiza ou morrerá". Foi considerado pelo historiador Robert Conquest, dos EUA, como uma das primeiras pessoas que fizeram tal previsão. De acordo com um artigo de Conquest, publicado em 1969, "Com o tempo, o mundo comunista será confrontado com uma crise fundamental. Não podemos dizer com certeza que ele vai se democratizar. Mas tudo indica que ele terá, como disse Orwell, que se democratizar ou perecer ... Temos também, no entanto, que estar preparados para lidar com as mudanças cataclísmicas, pois a agonia do aparelho estatal atrasado do pais, pode ser destrutiva e perigosa".
Em seu texto “Notes on Nationalism” cita o catolicismo político como uma forma de ideologia (ele chamou-o de "nacionalismo", em um sentido diferente do tradicionalmente empregado ao termo) independente de qualquer outro.
...
Quanto ao movimento de não-violência Orwell argumentou que a estratégia de resistência não violenta de Gandhi poderia funcionar em países com "uma imprensa livre e o direito de reunião" que possibilitassem "não apenas apelar à opinião pública externa, mas atrair uma massa de pessoas para o movimento, ou mesmo para tornar suas intenções conhecidas pelo adversário"; sem essas condições, o escritor era cético quanto à eficiência da abordagem de Gandhi.
No final da Segunda Guerra Mundial, o escritor usou o termo guerra fria em seu ensaio "Você e a bomba atômica", publicado em 19 de outubro de 1945 no jornal britânico Tribune. Contemplando um mundo vivendo à sombra da ameaça da guerra nuclear, Orwell olhou para as previsões de James Burnham de um mundo polarizado, escrevendo:

Olhando para o mundo como um todo, a deriva por muitas décadas não foi em direção à anarquia, mas em direção à reimposição da escravidão ... A teoria de James Burnham tem sido muito discutida, mas poucas pessoas ainda consideraram suas implicações ideológicas - isto é, o tipo da visão de mundo, do tipo de crenças e da estrutura social que provavelmente prevaleceria em um Estado ao mesmo tempo inconquistável e em permanente estado de "guerra fria" com seus vizinhos.

No The Observer de 10 de março de 1946, Orwell escreveu: "após a conferência de Moscou em dezembro passado, a Rússia começou a fazer uma 'guerra fria' contra a Grã-Bretanha e o Império Britânico".
...
OBRAS:

Dias na Birmânia 
A Filha do Reverendo
Mantenha o Sistema/Moinhos de Vento/A Flor da Inglaterra
Um Pouco de Ar, Por Favor!
A Revolução dos Bichos
1984
-
Enquanto a substância de muitos dos romances de Orwell, particularmente Burmese Days, é tirado de suas experiências pessoais, as obras a seguir são apresentadas como documentários narrativos, ao invés de fictícios.

Na Pior em Paris e Londres
A Caminho de Wigan
Lutando na Espanha


-


A massa mantém a marca, a marca mantém a mídia e a mídia controla a massa.


A maneira mais rápida de acabar com uma guerra é perdê-la.



-


A amante gaúcha bancou
o seu primeiro livro

Na foto, Francis Fierz e a gaúcha Mabel Robinson Fierz (centro), com a filha Fay Fierz, em 1937. Ela foi amante, mecenas, conselheira e até agente literária informal de George Orwell:




O texto é de Euler de França Belém e está na revista Bula:

Biografia escrita por Jeffrey Meyers revela que uma gaúcha, filha de ingleses, foi amante, mecenas, conselheira e agente literária de George Orwell


“A Segunda Mais Antiga Profissão do Mundo” (Três Estrelas, 407 páginas) contém artigos-ensaios de um dos grandes polemistas da imprensa brasileira, Paulo Francis (1930-1997). Um dos textos, “O exemplo de Orwell, um individualista”, de janeiro de 1981 (o que mostra que suas ideias permanecem atuais), levou-me à leitura de duas biografias, “Orwell — La Conciencia de una Geración” (Ediciones B, 443 páginas, tradução de Maria Dulcinea Otero), de Jeffrey Meyers, e “Orwell — Biografia Autorizada”. A biografia que o jornalista comenta é “George Orwell — Uma Vida”, de Bernard Crick.

Uma das revelações de Jeffrey Meyers é que Mabel Robinson Fierz, uma das principais mecenas e, até, agente literária de George Orwell, nasceu no Rio Grande do Sul. Ela patrocinou, direta ou indiretamente, o autor de “1984” e “A Revolução dos Bichos”, romances distópicos que que todo leitor verdadeiro tem obrigação de ler — seja para concordar, discordar ou mesmo não ter opinião alguma a respeito — porque se tornaram parte do imaginário ocidental. Michael Shelden também menciona Mabel Fierz, por sinal casada com Francis Fierz (curiosamente, Paulo Francis era pseudônimo de Franz Paul Trannin da Matta Heilborn), mas não destaca que nasceu no Brasil. Logo no prefácio, Jeffrey Meyers assinala que Mabel Fierz foi a “primeira mecenas e seguidora” de Orwell.

Jeffrey registra que “Mabel Robinson Fierz foi a figura feminina mais importante das três que Blair encontrou em Southwold. Havia nascido em 1890 no RS e seus pais eram ingleses. Sabia português e falava inglês com certo sotaque, havia recebido aulas particulares em casa e chegou à Inglaterra em 1908, quando tinha 17 anos”. No Brasil, tornou-se católica.

George Orwell, quando ainda era Eric Arthur Blair, foi policial na Birmânia (lá aprendeu, rapidamente, a língua e dialetos). Quando deixou o emprego, disposto a ser escritor, sua família entrou em pânico. Mabel Fierz disse que, “quando abandonou o emprego na Birmânia, seu pai se decepcionou muito. Um filho incapaz de ganhar dinheiro, segundo a antiga concepção do sr. Blair, não era um filho adequado”. Mas, registra Jeffrey Meyers, “Eric desejava agradar seu pai e conquistar-lhe o respeito”. “Sua única ideia consistia em convencer o pai de seu valor, porque o amava e desejava que ele o amasse”, afirma Mabel Fierz.


Na foto, George Orwell com seu filho adotivo, Richard Blair, influenciou toda uma geração de escritores, como David Lodge, Ray Bradbury, Anthony Burgess (“Laranja Mecânica” deriva da literatura orwelliana), Tom Stoppard , Tom Wolfe, Norman Mailer e Paul Theroux:



Embora não fosse uma intelectual refinada, Mabel Fierz tinha amplo interesse por cultura. Procurava vincular-se a vários movimentos, seguindo “as últimas modas intelectuais” e se interessava pelas ideias socialistas (um dos motivos de sua conexão com George Orwell). Jeffrey Meyers afirma que era “encantada” com o “New Statesman” e escrevia resenhas para a “Adelphi” (revista criada pelo marido da escritora Katherine Mansfield). “O marido, Francis, era engenheiro em Londres, e a família, que incluía um filho e uma filha adolescentes, passava as férias de verão em Southwold.”



A filha de Mabel Fierz, Fay, descreveu-a como “emotiva, extrovertida, vivaz, sociável e cheia de entusiasmo por todo tipo de assuntos: uma militante entusiasta do socialismo, do pacifismo e da defesa dos animais e da naturopatia. Tinha caráter resoluto e jamais aceitava um não como resposta”. Seu filho, Adrian, acrescentou: “Mamãe era uma defensora enérgica da esquerda, mas não estava livre de certo esnobismo mesquinho e apenas conhecia as questões econômicas fundamentais. Na atualidade [Adrian foi entrevistado por Jeffreys Meyers em 1998], sua atitude a respeito dos pobres seria apontada como paternalista”. Michael Shelden sublinha que tinha interesse “por causas heterodoxas e personagens excêntricos”.

Sem trabalho, pensando em se tornar escritor, vagando pelas ruas e pintando aquarelas na praia de Southwold, George Orwell encontrou-se com Mabel Fierz, “que se mostrou simpática, atenta, compreensiva, maternal e coquete”. Treze anos mais velha do que o ex-policial e ainda não escritor editado, convidou-o para visitá-la em sua casa, em Londres. Michael Shelden sublinha que os dois “sentiram-se atraídos de imediato”. “Com nós, ele se sentia completamente relaxado e nos contava tudo. Sabia que tínhamos carinho por ele e éramos tolerantes, e em nossa residência se sentia em casa. Ele e meu marido mantinham conversações intermináveis sobre Dickens.” Como uma espécie de preceptor informal, George Orwell orientava as leituras de Adrian, indicando-lhe seus livros preferidos: “Viagens de Gulliver”, de Jonathan Swift, ou as histórias de Conan Doyle e P. G. Wodehouse. Como escritor, George Orwell admitia sua dívida com a prosa vívida e participante de D. H. Lawrence (autor de “Mulheres Apaixonadas” e “O Amante de Lady Chatterley”). “Levou-o para ver ‘Hamlet’ com Maurice Evans e ao Museu Britânico.” Com certo espírito prático e diplomático, Mabel Fierz apresentou Eric-Blair-George Orwell a vários escritores jovens e “sugeriu que passasse mais tempo em Londres para poder estabelecer contatos necessários com as pessoas” certas “do mundo literário”.


Embora mandona na família, como sua chefe, Mabel Fierz cedia aos caprichos de George Orwell. O jovem a deslumbrava do ponto de vista intelectual. Levava-o tão a sério que nem percebia seu humor irônico. “Resultava engraçado que minha mãe sempre citava as afirmações de Blair como textos sagrados até quando, segundo minhas suspeitas, as pronunciava com ironia. Por exemplo, ‘todos os chefes de escoteiros são homossexuais’ ou “todos tabaqueiros são fascistas’. A introdução ‘Eric disse’ sempre servia como prelúdio ao que ela considerava uma verdade indiscutível”, conta Adrian.

Aos poucos, deixando de ser um menino, Adrian começou a perceber que, apesar de se apresentar como um proletário, sempre esfarrapado — uma vez ganhou uma calça nova de Francis Fierz e pisoteou-a para que parecesse andrajosa —, Eric Blair apreciava boa comida e bons vinhos. E se expressava muito bem. George Orwell sabia grego, latim, inglês, espanhol, catalão, francês e birmane.

George Orwell misturava-se aos pobres de Londres e Paris. Chegou a ser preso. Ele queria vivenciar a vida dos proletários e dos homens que viviam nas ruas. Porque, para escrever a respeito, acreditava que era preciso vivenciar o que sofriam. Francis Fierz às vezes perguntava para sua mulher: “Por que Eric se obriga a sofrer?” Ao contrário do marido, um burguês, Mabel Fierz sempre procurava entendê-lo e explicá-lo de maneira empática. “Mabel justificava sua busca de experiências para castigar a si mesmo explicando que ‘sempre queria dar a impressão de que era mais duro do que realmente era’”.



“Quando Blair se deprimia por seu sentimento de fracasso”, por não ser compreendido pela família, “Mabel reconhecia sua capacidade e incentivava suas ambições literárias. Ela formulou a tese, desde cedo, de que ele era ‘um jovem muito interessante, um homem com uma visão fabulosa da vida em geral, uma curiosidade enorme e um interesse imenso de aprender’. Mabel deu a Blair justo o que a este lhe faltava em sua casa: carinho, aprovação e estímulo intelectual”, anota Jeffrey Meyer.



Quando se diz que um escritor está na moda, isso quer dizer que ele é admirado por menores de trinta anos.



O que é o fascismo?





-


Os seis conselhos de
Orwell para escrever melhor


Texto de Jaime Rubio Hancock, publicado em março de 2017 no El País:


Normalmente se diz que não há regras para escrever bem. Mas não é verdade. Ajuda ter em mãos, por exemplo, as seis normas propostas por George Orwell. Seu filho, Richard Blair, as lembrou em uma entrevista feita por Bernardo Marín e publicada há alguns dias pelo EL PAÍS.

1. Nunca use uma metáfora, comparação ou outra frase feita que esteja acostumado a ver escrita.

2. Nunca use uma palavra longa se pode usar uma curta que signifique o mesmo.

3. Quando possível eliminar uma palavra, sempre elimine.

4. Nunca use a voz passiva quando puder usar a ativa.

5. Nunca use uma expressão estrangeira, una palavra científica ou um termo de jargão se puder pensar em uma palavra equivalente em seu idioma que seja de uso comum.

6. Descumpra qualquer uma dessas regras antes de escrever algo que pareça estúpido.

Orwell as incluiu em um ensaio intitulado Politics and the English Language (A Política e a Língua Inglesa), publicado em 1946 na revista Horizon. O artigo criticava principalmente a linguagem política, mas seus conselhos podem ser aplicados a qualquer texto. Por exemplo, o The Guardian o citou há alguns anos para criticar como escrevemos na internet. E também pode servir para qualquer idioma, apesar de o ponto 4, o que se refere à voz passiva, ser aplicado com mais frequência no inglês.

Para o autor britânico, essa preocupação com a linguagem não é nem "frívola" nem exclusiva dos escritores profissionais. Quando alguém se livra dos maus hábitos ao escrever, "pode pensar com mais clareza, e pensar com clareza é o primeiro passo para a regeneração da política".

Tópicos imprecisos
Na opinião do autor britânico, são dois os problemas principais de muitos textos: as imagens banais e a falta de precisão. Quando escrevemos temos que deixar que "o significado escolha a palavra, e não ao contrário", afirma. Tem que se fazer um esforço e pensar antes de começar a juntar letras, para evitar assim "as imagens desgastadas ou confusas, todas as frases pré-fabricadas, as repetições desnecessárias e os enganos e imprecisões".

Nos textos que critica se acumulam "metáforas moribundas", que foram tão usadas que perderam seu significado. Pensemos, por exemplo, em "enlouquece as redes sociais". Outro vício habitual, segundo Orwell, é o de usar termos pretensiosos com a intenção de "dar um ar de imparcialidade científica a juízos tendenciosos", além de "palavras que quase carecem de significado".

Por exemplo, termos como democracia, socialismo e liberdade, que normalmente são usados com "significados diferentes que não se podem reconciliar entre si". Não é o mesmo ler informação sobre notícias falsas em um texto do The New York Times e declarações de Donald Trump, que se apropriou dessa expressão, fake news, para classificar todas as manchetes de que não gosta.

Paradoxalmente, outra palavra que não significa o mesmo de acordo com quem a utiliza é "orwelliano", usada por "críticos de todos os lados", como publicou o The New York Times em um artigo que mencionava que esse texto, é, junto com 1984 e A Revolução dos Bichos, um dos mais influentes de Orwell.

Defender o indefensável
Como já apontamos, Orwell se preocupava principalmente em como eram mal escritos os textos políticos, algo que não podemos dizer que tenha mudado muito. Orwell cita exemplos que parecem muito atuais, como falar de "pacificação" quando "se bombardeia povoados indefesos pelo ar" ou de "transferência de população" quando "se despeja milhões de camponeses de suas terras".

"Um orador que usa essa classe de fraseologia tomou distância de si mesmo e se transformou em uma máquina" que tenta "defender o indefensável", escreveu Orwell. O que consegue é que "as mentiras pareçam verdadeiras, e o assassinato, respeitável". Como recorda Steven Pinker em The Sense of Style, essa abstração tão vaga acaba desumanizando.

Quatro perguntas
É fato que escrever mal é fácil: não precisa se preocupar como nos expressamos, basta escolher expressões do catálogo de frases feitas. Mas também leva a que os textos sejam desagradáveis e ineficazes.

Por outro lado, um escritor cuidadoso se fará ao menos quatro perguntas antes de redigir qualquer texto:

- O que quero dizer?

- Quais palavras expressam isso?

- Qual imagem ou expressão deixa mais claro?

- Essa imagem é suficientemente nova para fazer efeito?

E talvez mais duas:

- Posso ser mais breve?

- Disse algo feio que é evitável?



Quanto mais a sociedade se distancia da verdade, mais ela odeia aqueles que a revelam.



Curiosidade:
1984, o comercial da Apple





-






1984

Trabalho de Cleane Lima:

Personagens

Winston Smith: é o principal personagem da obra que trabalha no Ministério da Verdade e sua função é editar reportagens de jornais antigos alterando os fatos para que o passado esteja de acordo com as diretrizes desse governo.
Júlia: uma secreta rebelde, colega de trabalho de Winston, mas que detestava o governo comandada pelo Big Brother. Jovem por quem Winston se apaixona.
Big Brother: autocrata da Oceania. Pode ser considerado uma representação simbólica do partido que comandava o governo, sendo que é uma figura que nunca foi vista por ninguém. A imagem dele se encontra em toda parte, especialmente em cartazes onipresentes com os dizerem, “Big Brother is Watching you” (O Grande irmão está te vigiando).
O’Brien: agente do governo que engana Winston e Júlia, que posteriormente se tornam seus torturadores, convencendo-os a obedecer e principalmente, a amar o Big Brother. Esse personagem pode ser considerado como o antagonista do romance.
Resumo de “1984”
...
O livro trata da história do solitário Winston, funcionário do Ministério da Verdade, em Londres, pertencente à Oceania.
A Oceania, Eurásia e a Lestásia são as três potências remanescente da nova divisão que viviam em conflitos entre si. A Oceania é uma sociedade governada por um único partido (Ingsoc), um governo totalitário e repressivo que controla todos os aspectos da vida de seus cidadãos, comando representado pelo Grande Irmão (O Big Brother).
Com relação ao Partido Dominante, a sociedade de Oceania é dividida em três classes: a maioria representada pelos membros do núcleo do Partido, era a classe privilegiada; a classe média, membros externos do Partido; e os proletas, os que constituem o restante da população que suportam altíssimas cargas de trabalho e sofrem as maiores desvantagens sociais.
Winston é responsável pela propaganda e pela reescrita do passado, em que ele reescrevia jornais e documentos antigos em prol do partido. E o que não era reescrito era destruído, essa era a forma do governo se manter no poder.
Winston é da classe média, membro do Partido Externo, mas detesta o governo e seu trabalho. Ele vive pressionado a aceitar o sistema vigente, até que se apaixona por Júlia, colega de trabalho que secretamente detesta o governo, e juntos se revoltam contra o Partido.
O Partido é liderado pelo “Big Brother”, um líder ditador. O Grande Irmão, apesar de nunca ter sido visto pessoalmente, controla e vê tudo e todos.
Esse controle é feito por meio das “teletelas” que tinham em todas as casas e microfones escondidos nas ruas e pequenos helicópteros (drones) que filmam dentro das casas.
A “teletela” é como um televisor bidirecional embutido na parede em que permitia tanto ver quanto ser visto. E quando nenhum programa estava sendo exibido, mostrava a figura inanimada do “Big Brother”.
Oceania é um Estado que não tinha leis, e a única ordem era que todos deviam obedecer ao Partido. E aqueles que não obedeciam, poderiam ser denunciados a “Polícia do Pensamento”.
O papel da Polícia do Pensamento era fiscalizar o comportamento dos cidadãos, repreendê-los e puni-los, caso eles tivessem pensamento próprio e fossem contra o “Big Brother”.
Qualquer um que questionasse o Partido e os documentos que Winston reescrevia era acusado de cometer “crimideia”. Aplicado pela Polícia do Pensamento, a “crimideia” poderia sentenciar a pessoa a morte.
Após algumas atitudes de rebeldia contra o Partido, Júlia e Winston são desmascarados e presos. Winston é torturado por O’Brien, e com o tempo ele começa a aceitar o mundo autoritário do governo.
Winston passa pelo tenebroso Quarto 101, considerado o pior lugar do mundo. Os torturadores colocavam uma máscara no rosto do torturado com uma pequena abertura para uma gaiola cheia de roedores famintos. O mesmo acontece com Júlia, até que ambos não resistem às torturas e um denuncia o outro.
Winston renega o perigo maior ao Partido e passa a aceitar e a amar o Grande Irmão. Contudo, ele foi rebaixado para um trabalho ordinário num sub-comitê, enquanto Júlia conseguiu fugir do Quarto 101.
Por fim, o Partido conseguiu separar os dois que só se encontram ocasionalmente. Entretanto, não eram mais os mesmos e finalmente se adaptaram ao mundo comandado pelo “Big Brother”.

Análise de 1984

É um livro que traz questionamentos que perduram até os tempos atuais, como a vigilância 24 horas por meio das câmeras existente no mundo.
Até que ponto essa vigilância é benéfica para as pessoas? Aonde fica a liberdade quando as pessoas estão sendo vigiadas e controladas por câmeras 24 horas? 
Pode-se dizer que as “teletelas” descritas em “1984” são como as câmeras de segurança, dos celulares, tablets e computadores que também são capazes de captar e transmitir imagens.
Além disso, se discute as redes sociais e buscadores, como o Google, pois estão capturando os dados e tudo que é feito na internet no intuito de influenciar o comportamento dos indivíduos.
É um questionamento voltado para a tecnologia que tem contribuído amplamente para o controle dos cidadãos e assim, a perda da privacidade.
Uma das principais bases de “1984” é que a dominação é a alienação. Por viver sob o comando do Grande Irmão, as pessoas não exploram a própria mente ou o poder proporcionado pelo corpo.
As poucas pessoas que se davam conta que a realidade construída pelo Partido era artificial, eram perseguidas e eliminadas.
O livro é tão atual que, um caso ocorrido 2013 revelou a semelhança que há da distopia de “1984” com a sociedade atual mundial.
O caso aconteceu com o ex-técnico da CIA, Edward Snowden, na época com 29 anos. Edward foi acusado de espionagem após revelar informações sigilosas dos Estados Unidos em que o país tinha programas de vigilância que eram capazes de monitorar as pessoas de vários países do mundo.
Após a sua descoberta, Snowden teve que fugir do país para não ser preso e julgado pelo vazamento de informações do governo americano, pois ele foi acusado de espionagem.
Isso faz um paralelo com a narrativa do livro "1984", em que são punidos aqueles que contrariam ou se recusam a seguir as regras do governo e serem constantemente vigiados.

Adaptações

1984 já foi adaptado duas vezes para o cinema, uma delas em 1956 com direção do britânico Michael Anderson. O roteiro foi assinado por Ralph Gilbert Bettison e William Templeton.
No mesmo ano, o diretor Micahel Radfor lançou uma nova versão de “1984”, tendo o roteiro assinado por ele mesmo em parceria com Jonathan Gems.
Além das adaptações cinematográficas, em 1974 David Bowie lançou a canção “1984” presente no álbum “Diamond Dogs”.
Também foi inspirada no romance, a HQ “V de Vingança” de Alan Moore. E “1984” foi também o nome de um comercial da Apple que gerou muita polêmica.