Bom dia! Terça, 30 de agosto de 2011

O RS tem que desistir dos grandes eventos?
Expointer, Feira do Livro, Acampamento Farroupilha, Carnaval, Porto Alegre em Cena

Expointer.
Comecei a pensar nisso, aí do título, quando o nosso governador Tarso Fernando disse ao pecuarista Ruy Gessinger, na TV Pampa: A Expointer não pode se transformar numa Disneylândia. E o Ruy postou  no seu blog:
Há anos venho batendo nisso: a Expointer estava se transformando num bazar de quinquilharias, de miçangas, espelhinhos, chocalhos e cantorias. Em detrimento de negócios, de compras, de vendas, de troca de experiências.
Claro que cultura é importante. Sem embargo, estavam focando em cantores de duvidoso talento (uma minoria).
E eu queria mais espaço para os negócios, para a gente fazer dinheiro a fim de pagar os empregados, o sal, os remédios, o trator quebrado.
Tarso viu agudamente isso.
Agora vai mudar.

É o óbvio, o que interessa se a Expointer recebe 500, 600 mil pessoas por edição? São visitas completamente desnecessárias. No máximo, o povo poderia participar no final de semana, dar um passeio por lá, comer um churros ou um xis. Dia de semana? Exclusivamente para quem quer fazer negócio. Claro, o pessoal da área teria que ter entrada e estacionamento grátis, e restaurantes dignos. Nada mais.
Expointer deve ser um espaço exclusivo para negócios. Repito: exceção apenas num final de semana, quando o povaréu teria acesso, pagando.
Caso contrário, como está, não faz sentido a Expointer. Chega de Disneylândia!! Aí são melhores as feiras regionais. Ou não, Ruy Gessinger?
-----
Feira do Livro.
Já estou cansado de bater no atual "modelito". Tem muito pouco de literatura. Tanto que, nos últimos anos, os mais vendidos são os tais livros de auto-ajuda. Hoje, a Feira do Livro de Porto Alegre é uma grande festa de inutilidades. Eventos e mais eventos bobos, sem o menor sentido.
Tenho muita saudade dos tempos em que conheci Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles e até mesmo Paulo Coelho, o escritor brasileiro mais traduzido e vendido no mundo. Também lembro dos tempos em que o "Anedotário da Rua da Praia", do Renato Maciel de Sá Júnior, foi o mais vendido em uma edição da Feira. Ah, Mario Quintana passeava todos os dias entre as bancas da Praça da Alfândega!!
Faz muitos anos que não vou lá. E não sinto a menor falta. Poderia até terminar, que Porto Alegre não perderia nada.
-----
Acampamento Farroupilha.
Um evento que nada tem a ver com Porto Alegre. Desnecessário, completamente. Bom apenas para alguns que devem ganhar um bom dinheiro.
A última vez que dei uma passada por lá, há uns 5 anos, a primeira barraca que vi foi uma que vendia essas comidas baianas. Sério!
Vamos ter, daqui a uns dias, mais uma edição. E não conseguiram aprovar as contas do ano passado.
Quer dizer, não resiste a uma mera sindicância.
Porto Alegre sai ganhando se uma outra cidade resolve promover o "evento".
-----
Carnaval.
É mais um bom evento para a RBS ganhar uma grana extra.
Lembro dos tempos em que os desfiles eram na avenida João Pessoa. E tinha o Carnaval da Santana. E a gente assistia tudo da calçada, sem frescuras.
Neste século quiseram fazer um "negócio profissional" e isolaram o sambódromo no Porto Seco, na zona Norte. Aí só vai lá quem desfila ou é muito corajoso. Como sempre, deve ter gente que ganha muito dinheiro - além da RBS.
-----
Porto Alegre em Cena.
E o Porto Verão Alegre.
Dois eventos que ainda não estão contaminados pelo "espírito de negócio".
Continuam dando certo. Poderiam ser exemplos para os demais. Mas a soberba dos "organizadores" dos outros eventos não permite.
Olha isso, apenas: confira no Google quem é a figura responsável pela Feira do Livro de Porto Alegre, o grande poderoso. Aí ficará sabendo porque esse e outros eventos estão fadados, ano após ano, a minguar, mesmo que aparetem crescimento.

4 comentários:

  1. esse acampamento farroupilha é o ó do borogodó..é uma punhetagem gaudéria que já encheu o saco de quem mora aqui no menino deus..ademais essa gente do interior que acha que ganhou a revolução ehehe..deveria fazer o tal do evento em alguma cidade farrapa e não em porto alegre..nunca vi ninguém arreglar numa guerra forçar um baixar de armas e depois sair comemorando só aqui nessa província mesmo..o carnaval no porto seco sim, daí discordo do blogueiro esse sobreviveria tranquilamente sem a rbs pois tem raiz popular e porto alegre adora seu carnaval

    ResponderExcluir
  2. Carnaval já não é mais o mesmo. Outrora era curtido nos salões dos clubes. O chamado carnaval de rua nada mais é do que uma ópera chinelona com muitas mulheres exibindo despudoradamente seus corpos, muitos dos quais são verdadeiros canhões. A batida é sempre a mesma
    Um tal deputado, mais metido do que “fazendeiro” que depois que veste a fantasia, coloca uma faca atravessada na bunda e sorve um liso de canha introduziu ano passado no governo da tYa, a paulistana, o carro ALEGÓRICO. Depois dessa invenção do tal deputado virou carnaval mesmo. Temos assim dois carnavais. Fica para depois outro carnaval que temos aqui no estado.

    ResponderExcluir
  3. Alvaro, por favor, não custa colocar o nome completo. assim fica parecendo coisa de "anônimo".

    ResponderExcluir
  4. Milton Ferretti Jung30 de agosto de 2011 19:42

    De todos os eventos citados,sem dúvida,o pior é,longe dos demais,o Acampamento Farroupilha. Começa pela sua duração:um mês! Não sei qual a razão para que,porto-alegrenses natos ou adotados,tenhamos de suportar um evento deste tipo. Seria mais interessante que cada um festejasse o 20 de Setembro" em sua cidade natal, e nos deixasse em paz.

    ResponderExcluir