Ferro e Mais Ferro - 31 de agosto

Sobre o Bom Dia! de ontem:
O RS tem que desistir dos grandes eventos?
Expointer, Feira do Livro, Acampamento Farroupilha, Carnaval, Porto Alegre em Cena

Milton Ferretti Jung:
De todos os eventos citados, sem dúvida, o pior é, longe dos demais, o Acampamento Farroupilha. Começa pela sua duração, um mês! Não sei qual a razão para que, porto-alegrenses natos ou adotados, tenhamos de suportar um evento deste tipo.
Seria mais interessante que cada um festejasse o 20 de Setembro" em sua cidade natal, e nos deixasse em paz.
-----
Vereador Adeli Sell
A Semana Farroupilha deve acender a chama crioula debaixo de suspeição. Além de representação que tramita no Tribunal de Contas do Estado, referente à prestação de contas do evento em 2010, a comissão organizadora do evento está sem representantes da Câmara municipal.
O Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), responsável pelo evento, está tentando varrer uma série de irregularidades para baixo do tapete. Já disse e volto a afirmar que não compactuo com as irregularidades que estão sendo orquestradas por eles.

-----
Leila Weber
Realmente, alguns dos nossos eventos ficaram quase uma porcaria só.
Quer cocada baiana? Tem na Expointer, na Feira do Livro, no Acampamento Farroupilha, no Carnaval...
Nada contra as cocadas, muito menos contra os baianos. Só que a, digamos, padronização tira muito das características de cada evento.
Na Expointer, pior que as cocadas é a Disneylândia, como diz nosso governador, e as miles de quinquilharias por lá só não tiram a importância do acontecimento porque o público quer ver mesmo o diferente, que não tem à vista todos os dias, como os animais.
Na Feira do Livro, cocada até que é bom pra ir roendo enquanto se examinam (e se compram!) livros; o único inconveniente é a possibilidade de melecar mãos e volumes. Mas estão inventando atividades demais, bancas demais e espaço de menos.
Já a gauderiada... tudo ia muito bem enquanto só a gauchada organizava e realizava tudo. Nem ladrão chinelo se aprochegava. Quando a Prefeitura resolveu se meter, qual a primeira coisa que aconteceu? Foi assassinado o então presidente do MTG. Apareceram cocadas, artesanato made in China, construíram um "galpão" que o que mais tem é show de rock, e o que tinham que fazer, mesmo, continua que é lama pura. Isso e mais um monte de cositas, quando só o que a indiada quer - e o povo gosta de ver - é curtir seu piquete, com muito churrasco e chimarrão.
E agora, nem cavalo pode entrar, enquanto a chinelagem toma conta devagarito no más.
Ah, e o desfile virou carnaval, quase literalmente.
Por falar nisso: o Carnaval, na ânsia que se espalhou de copiar os cariocas, virou no que está: um desperdício de espaço, e uma judiaria para os verdadeiros carnavalescos. Valentes vendedores de cocadas se arriscam a ir, mas pela distância da tal pista de eventos, entre outros fatores, a turma da quinquilharia ainda não tomou conta. Mas é só o que falta.
-----
Enio Seibert - enioseibert@hotmail.com:
EXPOINTER - É uma das poucas oportunidades que as nossas crianças  de cidade grande têm para conhecer de perto, ao vivo e a cores, alguns animais  que só conhecem  de filmes ou da televisão.  Bois, vacas, cavalos, ovelhas, porcos e outros animais,  exemplares aparentemente simples, necessitam serem reconhecidos principalmente pelas  gerações mais novas, a maioria  sem nunca ter contato com a vida no campo.
FEIRA DO LIVRO -  Pode não ser a Feira Cultural dos sonhos de todos nós, mas sempre  será melhor do que  não existir  ou  se extinta, porque sempre transmitirá alguma cultura através das  suas mais simples edições, e tem produção literária para todos os gostos.  Sempre vamos achar alguma coisa que nos interesse, por mais chatos e exigentes que sejamos.  E para todos os bolsos...

Quanto mais não seja, servirá para  visitarmos a nova Praça da  Alfândega, retornada  às  suas origens de 100 anos passados,  curtirmos  as suas árvores centenárias  que foram  preservadas e os belos  eternos jacarandás por sobre as barracas de livros.
ACAMPAMENTO FARROUPILHA -  Sabemos todos  que a nossa capital é povoada em, pelo menos  sua metade da população, por gente de todo o interior  do Estado e que se  radicou por aqui por motivos profissionais/trabalho, pois as nossas  comunidades  interioranas não conseguem sobreviver  (não são auto-suficientes em empregos) para  absorverem  todos os seus filhos. 

A solução mais simples e objetiva para lutar pela sobrevivência  é vir para Porto Alegre, mesmo arriscando a virarem favelados como diz a letra da música  "João Campeiro" -  João Campeiro, ontem  ginete  é  hoje um cavalo.  Numa alusão  aos campeiros ontem  cavaleiros de suas montarias  e  hoje, cavalos puxando seus carrinhos de papel, tristemente. 
Mas sempre será  louvável e corajoso arriscar  e lutar pela sobrevivência onde há mais empregos, recursos econômicos e possibilidades à mão, do que  definhar na sua cidade nativa.
O Acampamento Farroupilha nasceu, desenvolveu-se e transformou-se em um  grande sucesso de público, festas campeiras, shows  nativistas, rodeios de animais, comidas campeiras ( quem não gosta do legítimo carreteiro de charque e do  nosso churrasco de costela ou picanha procurados hoje em todos os recantos do mundo?).
Nos últimos anos pudemos assistir, gratuitamente, nossos grandes  cantores/intérpretes e músicos nativistas de primeira grandeza no Centro de Eventos e nos diversos palcos espalhados nos quatro cantos do Parque da Harmonia. 
Assistimos  ao grande e saudoso Leonardo, Telmo de Lima Freitas (do nosso Esquilador) Maria Luiza Benitez, Joca Martins, Juliana Spanevello, Luís Marenco (o sucessor e parceiro do grande José Cláudio Machado), Walter Morais, Adelar Bertussi, Os Bertussi (sucessores dos Irmãos Bertussi), Os Fagundes, Piriska Greco, João de Almeida Neto, Shana Muller,  Cristiano Quevedo,, Pedro Ortaça (Timbre de Galo) e Família, Gaúcho da Fronteira, Mulheres Pampeanas ( sucessoras do Conjunto Farroupilha ), Valdomiro Maicá  (irmão do imortal Cenair Maicá), Flávio Hansen, Eraci Rocha e dezenas de outros  grandes representantes  do melhor da nossa  bela  e decantada música gaúcha.
Estes são alguns dos  músicos que lembro de ter assistido nos dois últimos anos,  eventos todos gratuitos em promoções de empresas de comunicação, gravadoras de discos e DVDs, Prefeitura Municipal de Porto Alegre e até  na barraca da Polícia Federal, onde pudemos assistir  aos  shows de Telmo de Lima Freitas e Maria  Luíza Benitez. Quando e onde poderíamos assistir a um show exclusivo de uma dupla de intérpretes deste quilate ?
Os críticos do Acampamento Farroupilha não sabem o prazer, alegria e satisfação  pessoais transmitidos à uma população desejosa e carente de rever algumas coisas da vida no interior, tanto das  cidades com os seus  CTGs  como das lides campeiras.
CARNAVAL NO  PORTO SECO -   A população e o progresso do centro da cidade/capital exigiram, durante muitos anos,, a transferência do carnaval de rua para um bairro  mais distante e com mais espaço físico e segurança ( sempre será mais fácil fazer um esquema de segurança em campo mais aberto do que nos labirintos e meandros do bairro Centro ).
Quem realmente gosta de carnaval adorou a mudança para o Pôrto Sêco em todos os sentidos  (e esgota  os ingressos para suas multiplicadas arquibancadas que não existiam  aqui no Centro)  e quem não gosta sentiu-se mais seguro nos bairros  limítrofes que sediavam o evento  (Cidade Baixa e Centro Histórico).
PORTO ALEGRE EM CENA  -   Só faltava o amigo Prévidi também querer terminar com este evento, além de desistir ou  desestimular a continuidade de todos os  outros já focados. Ainda bem que o jornalista Prévidi, pelo menos, apóia o evento Porto Alegre em Cena, demonstrando  e cratificando as suas raízes culturais.
Certamente existem muitas  coisas erradas em todos estes eventos, principalmente malversações de recursos e desvios de verbas ou má aplicação das verbas oficiais canalizadas principalmente pela nossa Prefeitura, mas uma cidade grande e importante no contexto brasileiro, precisa  de muitos eventos  para movimentar  todos os setores da sua economia.
Gostaria de saber, também, a sua opinião e posição sobre a Copa do Mundo de Futebol em nossa capital.  Como parece ser irreversível mais este evento, o amigo jornalista Prévidi também se posicionará  favorável  ou  contrariamente  a esta promoção mundial?



Um comentário:

  1. Milton Ferretti Jung31 de agosto de 2011 14:45

    Não gabo o gosto do Enio Seibert. Mas gostos,mesmo os mais estragados,não deixam de ser gostos.

    ResponderExcluir