Quinta, 22 dezembro 2011 - parte 4

Rogério Mendelski e o "amado líder" do PCdoB

Impossível deixar de fazer um comentário sobre a Coréia do Norte de hoje. Perguntas: "Não é caso de polícia pessoas que declaram amor a ditadores?" Minha resposta: "Sim, claro que é!" Motivo: "Não há ditador na história da Humanidade que não tenha nas costas a responsabilidade direta por assassinatos cujos "criminosos" morreram por ter uma opinião diferente do "amado líder".
Na Coréia do Norte o caso é mais grave ainda. Além dos inimigos do regime, o Chico César de olhos rasgados matou milhões de pessoas de fome para alimentar o seu exército de doidos e sua entourage de generais ridículos com seus quepes carnavalescos e o peito cheio de medalhas fabricadas na China.
Falando na China, nem mesmo os seus dirigentes tiveram a coragem de escrever uma nota parecida com a que foi enviada pelo PCdoB "ao povo norte-coreano"
Aquele texto só pode ter sido redigido pela turma do Casseta & Planeta. Quem, além de humoristas, produziria aquilo?
O PCdoB que já era um partido folclórico pela bandeira com a foice e o martelo, agora faz humor com a morte do amado líder. Façamos um exercício de imaginação. Se o PCdoB estivesse na presidência do Brasil quem seria o nosso amado líder?
Não vale uma sondagem com votos de seus leitores?

2 comentários:

  1. PCdoB = atraso.

    ResponderExcluir
  2. E pensar que uma candidata desse partido poderá governar a capital por 4 anos ... Só mesmo com voto obrigatório, num Estado que se diz "Democrático". Tomara que os eleitores de Porto Alegre resgatem sua cidadania, e principalmente, sua inteligência. NÃO ACREDITEM NA GRANDE MÍDIA !!

    ResponderExcluir